Wifi 6 chegou pra valer. Que inovações ele traz?

O Wi-Fi  tornou-se o novo “gargalo” no acesso internet

Com a tecnologia FTTH  ( Fibra até a residência/Escritório do assinante) expandindo-se e dominando o mercado  são cada vez mais comuns os planos superiores a 500 Mbps  em acessos cada vez mais eficientes e confiáveis, pelo menos até chegar à rede interna dos usuários. O maior número de chamados  registrados pelos IPS´s ( provedores de acesso internet)  na atualidade estão relacionados a problemas com o desempenho do Wi-Fi.

Quando se trata de conexão WiFi, os roteadores wireless costumam ser a primeira opção para residências e pequenas empresas.

Há equipamentos disponíveis no mercado que proporcionam uma boa área de cobertura e excelente qualidade de sinal. No entanto, é comum que apenas um roteador não seja suficiente para atender espaços maiores ou com alta demanda de conexão, especialmente se eles não puderem ser posicionados no centro dos ambientes, aproveitando assim de forma melhor a cobertura Wi-Fi.  A maioria dos fabricantes de soluções WiFi já tem implementado soluções onde mais de um aparelho é utilizado para melhorar a cobertura  através da tecnologia chamada MESH que faz com que o dispositivo fique sempre conectado no ponto de acesso que oferece a melhor conexão, dependendo da posição do usuário.

As redes MESH agora também passam a contar com o reforço da tecnologia do WiFi 6, onde é possível cobrir áreas ainda maiores em sua casa ou empresa, entregando maior desempenho e estabilidade na conexão com a Internet!

802.11ax

foi a definição utilizada para este novo padrão técnico de tecnologia, mantendo o WIFI 6 seu nome comercial.

Estabelecida desde 2019, mas que só recentemente se tornou a “bola da vez” na produção de dispositivos para este tipo de rede, e que está substituindo o padrão 802.11ac (ou WiFi-5) como padrão da indústria.

A velocidade sempre foi o atributo mais relevante para comparar a evolução desta tecnologia, mas, embora de fato o WiFi-6 entregar velocidades maiores que seus predecessores, este não é o principal atributo nas inovações que o novo padrão entrega, pois o seu desenvolvimento manteve o foco em resolver outros problemas como  o crescente aumento no número de dispositivos conectados na rede.

Quem usa dispositivos móveis certamente já passou por situações em que a Internet era ferramenta essencial de trabalho, mas o acesso a ela é impraticável. Isso geralmente se deve a problemas no alcance de sinal dos equipamentos, deficiência no gerenciamento dos dispositivos conectados, entre outros.

Esta demanda mudou o foco da nova versão do WiFi que, além de aumentar a velocidade, precisava ser capaz de conectar muitos dispositivos, dos mais diversos tipos e ainda melhorar a cobertura do sinal, inclusive com a movimentação destes aparelhos dentro do ambiente.

O novo padrão atual supera o anterior com maiores velocidades de conexão (entre 30 e 40%),  mas as seguintes implementações são o que realmente fazem a diferença: A tecnologia OFDMA e MU-MIMO.

OFDMA: Reduz a latência para algo semelhante às redes cabeadas e trabalha de forma mais eficiente com um número maior de dispositivos simultâneos.

MU-MIMO: Permite a comunicação simultânea em até oito fluxos (streams) simultâneos de dados.

A nova tecnologia também traz outras implementações significativas como:

  • Canais de 160 Mhz: Quanto maior a largura do canal (Bandwidth), mais velocidade
  • Beamforming: Que foca o sinal na direção dos dispositivos conectados
  • Target Wake Time ou TWT: Que permite economizar bateria de dispositivos clientes
  • BSS coloring: Permite a roteadores próximos “negociarem” a utilização de canais evitando interferências por overlap
  • 1024-QAM: Superior a quadratura de amplitude 256-QAM utilizada no padrão anterior esta atualização sozinha já proporciona um aumento de cerca de 25% na largura de banda)

Resumindo

  • Mais Velocidade
  • Mais Alcance
  • Mais economia de bateria dos dispositivos conectados
  • Menos interferências
  • Mais segurança ( com WPA3)

Vale lembrar

Nem todos os dispositivos WIFI 6 irão implementar TODOS estes recursos, da forma como foram descritos acima.

Pode haver variações ou limitações de acordo com o modelo do aparelho, então é importante conferir os detalhes antes de escolher.

Além disso, para tirar máximo proveito da nova tecnologia é preciso que todos os aparelhos da sua rede sejam compatíveis com o novo padrão, aparelhos mais antigos irão funcionar também, mas não poderão desfrutar das vantagens.

E vem aí o WIFI 6E

Esta versão contará com, além das faixas de 2.4 e 5Ghz , com a faixa adicional de frequências em 6Ghz.

Oferecendo todo um novo espectro pouco utilizado e ainda menos sujeito a interferências e que diferentemente da faixa de 5Ghz que não pode ser utilizada em sua totalidade, esta nova faixa irá oferecer mais canais que os atualmente disponíveis em 5Ghz.

Permitindo que mais roteadores funcionem próximos uns dos outros sem superposição de canais.

O uso desta faixa já foi liberado pela ANATEL para uso não licenciado em ambientes internos e a expectativa é que comecem a surgir os primeiros equipamentos compatíveis no mercado brasileiro a partir do segundo semestre de 2022.

A evolução do WiFi tem um objetivo claro: permitir a ampliação do uso de dispositivos conectados e da experiência com as aplicações e serviços na internet,

Gostou do conteúdo? Compartilhe.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Deixe seu comentário.

Assine nossa newsletter e receba nossos conteúdos diretamente no seu e-mail

Assinando nossa Newsletter você autoriza que a QUICK lhe envie conteúdo informativo e publicitário, nos termos de nosso Aviso de Privacidade.

Av. Alm. Adalberto de Barros Nunes, 926 – Vila Mury, Volta Redonda – RJ

Siga nossas Redes

Baixe Nosso App

(i) velocidade máxima, tanto de download quanto de upload, disponível no endereço contratado, para os fluxos de comunicação originado e terminado no terminal do CLIENTE, respeitados os critérios estabelecidos em regulamentação específica; (ii) valor da mensalidade de cada serviço; (iii) critérios de cobrança;

O PLANO DE SERVIÇO também disporá sobre: (i) a disponibilização de endereço IP (Internet Protocol) fixo ou variável; (ii) a contratação conjunta ou não de outros serviços de telecomunicações; (iii) valor do consumo excedente, em caso de contratação sob franquia de consumo; (iv) limites e garantia de banda;